Total de visualizações de página

segunda-feira, 21 de março de 2011

O PODEROSO DEUS CHAMADO CÉREBRO

O PODEROSO DEUS CHAMADO CÉREBRO 
Nós, seres humanos, aprendemos a dar nomes a tudo o que nos rodeia. A palavra Deus é definida, pelas religiões tradicionais, como sendo princípio supremo que consideram superior à natureza; ser infinito, perfeito, criador do Universo; Divindade; objeto de um culto ou de um desejo ardente, que se antepõe a todos os outros desejos e afetos.  Já a palavra Deusa é dada à divindade do politeísmo; mulher adorável por sua formosura. 
Bento Espinosa -(1632 x 1677) - um dos maiores estudiosos da Bíblia e do Talmude, identificou Deus com o Cosmos, a eternidade do mundo, e à idéia de que a matéria do Universo seria o corpo de Deus. A visão panteísta de Espinosa leva-o a afirmar que a vontade de Deus é a soma de todas as causas e leis, e que o intelecto de Deus é a soma de todos os pensamentos. É por isso que ele afirma que o espírito de Deus é a mentalidade difusa no espaço e no tempo, a consciência difusa que anima o tempo. 
O que buscamos é sempre a felicidade e esta é objeto de nossa conduta; é a presença do prazer e a ausência da dor. Prazer e dor são categorias relativas e subjetivas. O prazer pode ser definido como a transição de um estado inferior de perfeição para um estado superior. A dor, ao contrário, é a transição de um estado superior de perfeição para um estado inferior. 
A emoção é a modificação do corpo e por meio dela o poder de ação do corpo é aumentado ou diminuido. Quando aumenta este poder é boa e quando  diminui é má. 
O Deus de Espinosa é uma entidade muito próxima do Deus de Platão: um ser superior e tão grandioso que não dispensa tempo para observar e dar ordem aos homens. 
Com seu famoso livro póstumo ÉTICA, Espinosa nos leva a perceber que a "salvação" começa pelo conhecimento e que a democracia é um regime político desejável porque se apresenta como a mais racional e permite uma maior acumulação de poder, o poder de todos os individuos reunidos. O Estado é necessário porque cada pessoa procura, acima de tudo, os seus próprios interesses, buscando expandir seu próprio poder. Contudo, o Estado não deve ir além de assegurar a liberdade para que cada um possa perseguir o seu ideal de felicidade. 
Espinosa estava certo, mas isto só foi reconhecido muito depois de sua morte. Deus é uma palavra que define tudo o que existe e não apenas o que as religiões vem pregando há milênios. É uma força universal de energia e está sob o comando de cada cérebro, seja ele humano ou animal. A força desse comando é determinada pela capacidade do cérebro de cada ser vivo. 
O cérebro humano tem cerca de 100 bilhões de neurônios e talvez uns 100 trilhões de conecções. Por aí podemos concluir que seu poder é avassalador. 
Na verdade o cérebro pode tudo, mas nós não sebemos usá-lo. Usamos apenas uma pequena parcela  que é suficiente para nossas ações. Não poderia ser diferente, pois usá-lo com toda a sua potencialidade seria o poder absoluto. Imaginem como seria o mundo se todos tivessem poder absoluto. Seria a volta ao caos.
A fé é a forma que temos de usar nosso cérebro para conseguir coisas muito desejadas. Ela nos leva a  conseguir aquilo que chamamos de milagre. O milagre é possível quando nossa mente  consegue desejar alguma coisa com grande profundidade. Este desejo intenso desperta determinada parte do cérebro permitindo sua realização. Quando vários cérebros comungam o mesmo desejo tudo fica mais fácil. Não devemos esquecer que o pensamento é uma força invisível que pouco conhecemos.  
Cada ser vivo nasce com determinadas habilidades. Grandes gênios da humanidade sempre estiveram limitados a uma ou algumas habilidades. Mozart foi um gênio da música e desde criança demonstrou sua imensa capacidade para compor e tocar; outros foram gênios da matemática, da física, da arte, etc.  Alguns, como o pintor Leonardo da Vinci, tiveram multi-talentos, mas em todos o limite sempre esteve presente. 
Todo o ser vivo está sob o poder de uma energia que é invisível e muito pouco sabemos sobre ela. A simples morte não elimina a energia de um ser. A energia, tal como a matéria, é eterna e apenas se transforma. É o espírito cósmico que atua em todos os seres. Os humanos tiveram seu cérebro ampliado rapidamente e atingiram um estado espiritual superior. É por essa razão que evoluíram mais que os outros primatas que com ele conviviam. 
Darwin estava certo quando disse que as espécies evoluíram, mas hoje talvez ele próprio revisse suas conclusões considerando também a energia espiritual cósmica que atua em todos os seres.  Ele afirmou que o homem é uma evolução do macaco, mas disse isto de uma maneira muito genérica. Hoje sabemos  que de fato o homem é o resultado da evolução de uma espécie específica de primatas. Portanto o homem é descendente de um primata que tinha maior capacidade cerebral. Isto explica porque os demais primatas continuam no estado anterior ou tiveram pouca evolução. Alguns foram extintos. 
A palavra espírito é utilizada para definir várias coisas: Alma; ser humano; entidade sobrenatural como os anjos e diabos; duendes; pessoa distinta, esclarescida; vida; finura; sutileza; graça; engenho; imaginação; tendência; idéia predominante. Espírito forte é o que se coloca acima das opiniões máximas recebidas, livre pensador, aquele que alardeia incredulidade em matéria religiosa. Espírito fraco é aquele  que se deixa levar pelos outros, dominar-se pelos vícios, pelos maus exemplos. Espíritos malígnos  são aqueles que, segundo a antiga fisiologia, levam a vida do coração e do cérebro ao resto do corpo. 
A palavra mente define intelecto; alma; espírito; tenção; disposição; imaginação; instinto de boa ou má fé. 
A palavra alma define especialmente a parte imaterial do ser humano, mas também o conjunto de faculdades intelectuais do homem; espírito humano; índole; vida; animação; coragem; além de muitas outras coisas que não cabe aqui mensionar.  
A mente humana exerce total poder sobre o corpo. É por essa razão que seitas e religiões sempre procuram capturá-la para mantê-la sob seu domínio. O desconhecimento de sãs noções acerca de Deus como poder cósmico universal é suprido através de falsas idéias e superstições. Isto acontece com muita freqüência porque o ser humano é espiritual e social, e as seitas, tribos e religiões são uma forma de participação numa sociedade onde todos podem comungar uma idéia, mesmo que seja prejudicial ao seu intelecto, à sua saúde e até ao seu bolso, pois muitos se aproveitam desta necessidade para angariar poder e dinheiro. Para o Estado é até conveniente que todos se mantenham ignorantes, pois é assim que a massa popular fica mais submissa. As superstições tornan-se úteis aos interesses do governo e a educação é relegada a um plano longínquo. 
Nicéas Romeo Zanchett
LEIA TAMBÉM > O PODE DA MENTE HUMANA http://gotasdeculturauniversal.blogspot.com/2011/10/o-poder-da-mente-humana.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário